O ensino de lógica pode estar presente desde as séries iniciais

O pensamento lógico está presente em praticamente todos os momentos do nosso dia. Mas é, normalmente, após o período da Educação Básica que começamos a ter acesso aos conceitos da lógica e a entender como ela se aplica às nossas atividades.

Entretanto, pesquisadores têm defendido o desenvolvimento do raciocínio lógico desde o começo da vida escolar, como é o caso do professor David Baker-Plummer, da Universidade de Stanford, co-criador do programa Linguagem, Prova e Lógica (LPL). O pacote chegou ao Brasil em 2014 e conta com material didático e um programa de computador com exercícios básicos que ajudam as crianças a desenvolver este tipo de raciocínio desde as séries iniciais. Isso, com bom apoio pedagógico do professor que está em sala de aula, claro. 

O educador também defende que hoje, mais do que nunca, os alunos estão mais propensos a enteder a lógica desde cedo, devido ao uso constante de tecnologias. Além disso, elas trazem mais oportunidades de acesso a softwares e a exercícios, dentro e fora da escola, para os momentos de estudo.

Muitas pessoas acabam ligando a lógica a disciplinas de exatas, mas ela é extremamente importante para a comunicação e o desenvolvimento da lógica argumentativa. Por isso, pode ser essencial para o estudo de todas as disciplinas durante a escola e em todas as profissões que os alunos podem acabar seguindo.

Abaixo, confira algumas dicas para começar a incluir a lógica em suas aulas:

LPL 

Lançado em dezembro do ano passado no Brasil, o pacote contém textos teóricos e um software que dá uma introdução aos conceitos básicos da lógica. Um dos programas disponibiliza exercícios com avaliador de respostas, que auxilia no estudo fora da escola. É indicado para professores de Filosofia, Ciência da Computação e Matemática utilizarem com seus alunos.

Primo 
Este programa é um jogo para crianças que tem o intuito de ensinar lógica de programação a partir da brincadeira. Segundo seu criador, Filippo Yacob, apesar de o jogo ter como objetivo final a programação, ele está um passo atrás, para que a criança tenha um primeiro contato e compreenda as bases da lógica. A discussão sobre o ensino de programação a jovens é pauta na educação do século 21, mas entender a lógica é base para esse aprendizado.

Jogos de computador

A utilização de jogos digitais na educação tem sido aliada dos professores para a criação de uma sala de aula mais moderna que atende às novas necessidades dos estudantes. Além de engajar os alunos, eles ainda podem acompanhá-los em casa.

Com jogos básicos e extremamente conhecidos já é possível treinar a lógica, como o Nonogram, onde o jogador deve colorir partes de um quadriculado para formar uma imagem, e o Sokoban, cuja missão é colocar objetos em determinados pontos, apenas empurrando. E ainda é possível treinar com os famosos Campo Minado e jogos de paciência, todos baseados em lógica.

Jogos offline

Não são apenas os jogos digitais que ajudam no treino da lógica, mas outros passatempos que já fizeram parte da vida de muitas pessoas. Jogos de cartas, xadrez e dama são exemplos básicos de jogos que ajudam e cabem muito bem na sala de aula ou em atividades extras.

Charadas e enigmas

Instigar o pensamento lógico por meio de charadas e enigmas é uma das maneiras mais comuns de estudo. É possível encontrar diversos exercícios online para trabalhar com os alunos, mas uma boa pedida é utilizar os livros do matemático americano Raymond Smullyan que trazem diversos enigmas ligados a uma história, como O Enigma de Sherazade e Alice no País dos Enigmas.